Google+ Followers

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

(Des)encontros



Viveremos infinitamente.
Pensando que poderia ter sido eterno.
De todas as palavras que disse.
Nenhuma foi vazia.
Mas a dor de tê-la às migalhas.
Foi maior que o amor que lhe devotava.
Não há vencedores e nem culpados.
Nosso destino foi amar separado.

O meu silêncio era de medo.
Sua desistência foi tão cedo.
O meu calar foi a dúvida.
Sua resignação, certeza.
Não quis que eu fosse embora.
Mas deixou aberta a porta.

Se dói eu estar ausente.
Você sabe agora o que se sente.
Seu coração se despedaçou?
Sabe agora como a divisão dilacera.
E foi quando parti.
Que esqueci em ti.
O melhor que havia em mim.

Posso ter cruzado outros caminhos.
E feito outras moradas.
Mas se durante essa jornada.
Você pensa que foi esquecida.
Está muito enganada.

Recordo os beijos ardentes.
E meu suor na tua pele.
Dos teus fluidos quentes.
No encontro entre nossa pelve.

Há amores que foram feitos.
Para não serem consumados.
Sei que o destino não quis.
Semear nossa flor-de-lis.
Ao fim de tudo.
Sem mim você será feliz!?


................................
Felipe Mianes